sexta-feira, 25 de março de 2011

Imprevisível, indefinível, inesquecível.

Confesso que tenho um respeito pelas palavras que chega à margem do medo. As palavras que digo, quando as digo, perco-as, perco a posse imaginária que tenho sobre elas. Então muitas vezes calo. Por medo de soltar palavras e ter que aceitar que elas me atravessam, me marcam, passam por mim, mas não as retenho, seu destino é outro - o outro. É no ouvido do outro que minhas palavras ganham voz.

Quando as palavras saem de minha boca - ou dos meus dedos – para o mundo, seu destino é sempre imprevisível. O que você entende quando eu digo: imprevisível? Foi realmente isso que eu quis dizer? Certamente não. Há uma dissimetria inevitável, entre a intenção que tem aquele que diz e o significado dado por aquele que escuta, que nunca desaparece.

Essa dissimetria me angustia e, por isso, tento definir tudo, sempre. Adjetivos e advérbios em profusão, tentando dar conta daquilo que ouço, leio, penso, tentando amarrar as palavras para que elas não saiam por aí tomando outros rumos, novos caminhos, diferentes daquele que luto tanto para estabelecer.

Mas, por mais que eu tente, a vida não obedece. Quando menos espero sou tomada por algo que não consigo apreender ou definir. Todos os adjetivos e verbos, de todas as línguas do mundo, não são suficientes. Pode ser um encontro, uma obra de arte, as palavras de um outro, o amor. Seja o que for, nesses momentos agradeço por não ser tão eficiente em minhas amarrações. Porque são os momentos em que estou mais viva. Momentos imprevisíveis, indefiníveis, e, por isso mesmo, inesquecíveis.

11 comentários:

Fabrício Franco disse...

Por isso eu deixo que eu seja pontuado por substantivos. Vou fazendo a lição de João Cabral de Mello Neto, 'lapidando pela pedra', tirando tudo o que não é essência, peles desnecessárias, até surgir o osso do texto.

Mas simpatizo com sua busca.

Beijo!

Jorge Pimenta disse...

"palavras que chegam à margem do medo"
como essas se escondem entre as mãos e a obra...
bonito!
beijinho!

A.S. disse...

As palavras perduram para além dos lábios que as libertam! O seu efeito nem sempre é previsivel e muitas vezes, quem as escuta não lhes dá o verdadeiro sentido... a palavra é uma arma! Deve pois, ser manejada com todo o cuidado!

Brilhante o teu texto!

Beijos meus,
AL

PALÁCIO DAS LETRAS disse...

OLÁ CARINA!
Gostei da frase do seu perfil " Eu quero que o mundo pare,que nada mude,ou que só mude com autorização prévia...."
Bom seu blog,discreto,inteligente e bonito.
Como você,por certo?
Voltarei mais vezes.
Bom fim de semana.
ANTONIO,de Goiânia,GO-BRASIL.

Suzana Martins disse...

Palavras que brincam no esconder dos versos. palaras que vão aléeem!!!!!

Beijos!!

Ana SS disse...

A Psicanálise é jusamente a arte do bem-dizer, não é?

Lívia Azzi disse...

O limite da linguagem é justamente essa angustia entre o que é dizível, indizível e passível de fazer sentido...

Beijos...

Breno Melo disse...

E os momentos mais "inesquecíveis" de sua vida não foram justamente aqueles mais "imprevisíveis"? aqueles q te deixaram mais alerta, sobressaltada, apreensiva ou surpresa? Não são esses momentos os q mais ficaram gravados na sua memória?

E também não são os momentos mais "indizíveis" aqueles q mais se gravam na mente, numa espécie de eterna pergunta ou inquietação? Uma inquietação até agradável, por assim dizer?

As palavras (e elas servem para tudo) são meios de retratar esses momentos inesquecíveis. As palavras de q dispomos são sempre as mesmas, mas as tentativas de fazê-las retratar tais momentos é q variam.

Retratar o quer q seja através de palavras é uma arte tão grande como a pintura ou a escultura, ainda q a Literutura seja considerada mais difícil, complexa e antiga, especialmente se falamos de poesia, q foi a primeria manifestação da Literatura.

Bem, eu tinha q comentar! E já vejo q vc está em boa companhia, pq aí em cima vejo a ana sesarino, além de outras pessoas q devem ser igualmente interessantes! ;)

Tenha um excelente dia, Carina!

Lia Araújo disse...

Tendo escrever... mas, sempre digo mais quando estou em silencio..

passei pra desejar um otimo domingo e dizer que seu blog é muito bom... ( mas vc já sabe disso) seguindo aqui...

bjo

Ana SS disse...

Tentando dizer o indizível...ou, ao menos, contorná-lo.

José Sousa disse...

Oi tudo bem!
Entrei em seu blogue e gostei de tudo que nele encontrei e li!
Vou ser seu seguidor, seja meu tabém la nos meus blogues. click no meu perfil e encontrará todos os meus blogues.

transpondo-barreiras.blogspot.com

Um abração.

Postar um comentário